Livro: Stonehenge (Bernard Cornwell)

Uma combinação perfeita: um dos escritores ingleses mais bem-sucedidos no Brasil escreve sobre um dos mais conhecidos e enigmáticos mistérios do planeta.

Como explicar Stonehenge, um enigma tão complexo quanto as pirâmides do Egito? Qual era a finalidade desse círculo de pedras? Todos os anos, milhares de turistas seguem até a planície de Salisbury para tentar entender o grande mistério. Teria o monumento sido erguido pelos gregos? Ou se trata de um templo construído pelos druidas celtas? Bernard Cornwell recria a época da construção do monumento em uma emocionante disputa entre três irmãos pelo poder de sua tribo (Fonte: Skoob).

Anúncios

HQs: Asterix e Obelix

asterix2
Asterix, Obelix e cia.

Asterix é uma série de histórias em quadrinhos criada na França por Albert Uderzo e René Goscinny no ano de 1959, baseado no povo gaulês e em grande parte no tempo do seu grande chefe guerreiro Vercingetorix.

Este é o prólogo de todas as edições dos livros de Asterix, o gaulês: “Estamos no ano 50 antes de Cristo. Toda a Gália foi ocupada pelos romanos… Toda? Não! Uma aldeia povoada por irredutíveis gauleses ainda resiste ao invasor.”

Asterix reside com seus amigos em uma pequena aldeia gaulesa situada em uma península na Armórica, ao norte da antiga Gália. Para resistir ao domínio romano, os aldeões contam com a ajuda de uma poção mágica que lhes dá uma força sobre-humana, preparada pelo druida Panoramix. A exceção é Obelix, que caiu dentro de um caldeirão cheio da poção quando ainda era um bebê, e daí adquiriu permanentemente a superforça (Fonte: Wiki).

Há vários elementos célticos nas histórias de Asterix e Obelix, uma vez que a Gália foi uma das regiões em que a cultura celta se fez presente.

Clique aqui para ler HQs de Asterix e Obelix.

Livro e Série de TV: Outlander (2014)

S1OCartaz1

Baseada na série literária Outlander (no Brasil, A Viajante do Tempo) da autora Diana Gabaldon, a série narra a vida de Claire, uma enfermeira de combate na Segunda Guerra Mundial que acaba viajando no tempo para o ano de 1743 e imediatamente é inserida em um mundo desconhecido de aventuras que a fazem temer pela própria vida. A personagem, casada no século XX, termina se aproximando de Jamie, um jovem e romântico guerreiro escocês, e fica dividida entre dois homens diferentes em duas vidas irreconciliáveis (Fonte: Minha Série).

Tanto no livro quanto na série de TV podemos ver alguns elementos da cultura celta, como o Samhain (festival sazonal celta), o gaélico (língua celta), algumas lendas e mitos (Monstro do Lago Ness, Colinas das Fadas…), os enigmáticos círculos de pedras, costumes e tradições da época, entre outros. A história se passa na Escócia, um dos locais em que a cultura celta esteve muito presente. Outro ponto interessante que ambos abordam é em relação à mentalidade da época. Os escoceses adotaram o cristianismo (processo de cristianização), mas isso não fez com que as antigas tradições da religião celta desaparecessem de uma hora para outra. As pessoas, principalmente o “povão”, ainda acreditavam que as fadas poderiam curar os seus bebês, em poções do amor, mau agouros etc. Tudo isso resquício de uma tradição milenar e anterior.

Mais informações sobre os livros clicando aqui.

Para ler o primeiro capítulo do livro “A Viajante do Tempo” clique aquiContinuar lendo “Livro e Série de TV: Outlander (2014)”

Livro e Filme: As Brumas de Avalon (The Mists of Avalon)

brumas

Quem nunca ouviu lendas sobre o Rei Arthur e sua Távola Redonda, que tratava seus cavaleiros como iguais, o rei justo e bondoso? É mas nem só de rosas o reino de Arthur foi composto e muito sangue, ódio e traição também foram ingredientes importantes na construção da obra de Marion Zimmer Bradley. Contado a partir da perspectiva das mulheres que rodeavam o rei, As Brumas de Avalon é uma coleção que mostra uma percepção mais sensível (e não menos brutal) da Bretanha Celta e da misteriosa Avalon e seus segredos.

Durante toda a narrativa, foi possível entrar de cabeça na Bretanha Celta e sentir um pouco dos costumes daquela época, onde os casamentos eram arranjados – e não podiam ser questionados, vale lembrar, – e as mulheres não eram mais do que as senhoras de suas casas e cabides para jóias e fitas dadas pelos seus senhores. A realidade de Avalon era diferente: a Deusa só se comunicava com as mulheres, as quais tinham de ser consultadas e sua sabedoria era respeitada como sendo vindas da própria Deusa (Fonte: Livros em Série).  Continuar lendo “Livro e Filme: As Brumas de Avalon (The Mists of Avalon)”